Antônio Carlos Cintra do Amaral

Sua carreira iniciou-se em Recife, Pernambuco, seu estado natal, por atividades políticas exercidas nos cargos de Chefe de Gabinete do Prefeito de Recife, Secretário Assistente e também Consultor Jurídico do Governo do Estado de Pernambuco e Secretário de Educação e Cultura da Prefeitura do Recife, função que ocupava por ocasião do Golpe de 64. Foi quase candidato a Prefeito do Recife e candidato derrotado a Vice-Prefeito. Preso, mais de uma vez, decidiu rumar para o Sul do País, ficando em São Paulo, onde vive há mais de quarenta anos.

Exerceu os cargos políticos com integridade, retidão e honradez. Em 1987 em ofício ao Dr. Miguel Arraes, Governador do Estado de Pernambuco, Dr. Antônio Carlos renuncia ao direito de aposentar-se no cargo de Consultor Jurídico do Estado de Pernambuco, em nome do dever ético, não se sentindo em situação confortável para requerer aposentadoria em cargo que pouco exerceu, ainda que independentemente de sua própria vontade.

E em seu livro Desvio de Rota, Antônio Carlos Cintra do Amaral comenta: "Nos três cargos públicos que ocupei, Chefe de Gabinete, Secretário Assistente e Secretário da Educação e Cultura, jamais utilizei, para uso particular, o carro oficial à minha disposição. Ninguém de minha família andava nele, nem mesmo comigo para aproveitar carona. E note-se: eu não era o único a agir assim. A regra era essa e as exceções não eram perdoadas."

Ao radicar-se em São Paulo, passou a exercer cargos com funções atinentes a Consultor Jurídico e Professor de Direito, dedicando-se especialmente à área de licitações, contratos administrativos e concessões de serviço público.